A melhor forma de conversar com as crianças pequenas e melhorar sua linguagem

O jeito de falar diretamente com bebes e a maneira de falar, falando devagar e claramente, com vogais e entonações exageradas, que ficou conhecida em inglês como “parentese”, parece melhorar o desenvolvimento da linguagem em crianças pequenas.

É o que aponta um estudo do Instituto para a Ciência de Aprendizagem do Cérebro (I-LABS) da Universidade de Washington, que observou, que quando os pais são ensinados como e por que falar utilizando o “parentese”, isso pode ter um impacto sobre o vocabulário de seus filhos.

De acordo com Patricia Kuhl, codiretora do I-LABS, há evidências suficientes para afirmar que as crianças preferem o discurso da forma “parentese” e não da maneira padrão, e que a exposição ao primeiro tipo aumenta o vocabulário dos bebês. No entanto, os pesquisadores queriam saber se o treinamento com os pais serviria e afetaria a linguagem de seus filhos.

I-Labs/Reprodução

Para descobrir isso, os cientistas usaram gravações dos finais de semana normais, aos quais as famílias participantes do estudo estavam acostumadas. Os pais foram selecionados aleatoriamente para o grupo de controle ou para o grupo de treinamento.

Os pais do grupo de controle foram penas registrados pelo gravador de voz, enquanto os do outro grupo foram registrados e também receberam conselhos sobre interações de linguagem na forma de cartões com “construtores de cérebro” do aplicativo Vrooms. Eles também foram ensinados a usar essas estratégias de comunicação nas rotinas diárias com as crianças.

Segundo os pesquisadores, os pais diferem muito em sua compreensão de como as crianças aprendem a falar e o papel que desempenham nisso. É por isso que no estudo eles procuraram incluir pessoas de diferentes contextos socioeconômicos.

A amostra foi composta por 77 pais e seus filhos, que tinham 6 meses no início do projeto. Todas as famílias receberam um gravador em um colete com um design especial, para o bebê usar e captar os sons. Eles foram convidados a gravar um fim de semana inteiro quando as crianças tinham 6, 10 e 14 meses de idade. A gravação registrou tanto o que a criança estava ouvindo quanto o que ela dizia, então os cientistas poderiam acompanhar o discurso do pai e do filho.

Resultados

Os bebês cujos pais receberam o treinamento foram significativamente mais verbais quando completaram os 14 meses de idade. Segundo Naja Ferjan Ramírez, principal autora do estudo, muitos pais sabem que a quantidade de linguagem que seus filhos ouvem é fundamental, mas o que os pesquisadores tentaram ensinar a eles é que a maneira como eles falam com os filhos é ainda mais importante.

No treinamento, foram oferecidas explicações sobre as evidências que apoiam o discurso “parentese” e asseguraram que os pais estivessem cientes da linguagem usada (particularmente do estilo da fala) e dos resultados na linguagem do bebê.

Os pais que receberam o treinamento (que foi feito quando as crianças tinham 6 e 14 meses de idade) aumentaram em 15% a quantidade de fala dedicada a seus filhos e a forma “parentese”. Por outro lado, o grupo controle apresentou um crescimento de apenas 7%.

A medição das habilidades de linguagem em crianças foi feita classificando-a como “tagarelar” ou como palavras claramente reconhecíveis (todos os pais participantes falavam em inglês).

Outro dado observado foi que bebês do grupo de pais treinados balbuciavam em 43% das gravações, em comparação com o grupo de controle que balbuciava em 30% do conteúdo gravado. Além disso, aos 14 meses, os bebês que receberam a intervenção produziram significativamente mais palavras do que os bebês do grupo controle.

O “parentese” não é apenas falar com o bebê. Esta é uma ideia errada. Falar igual ao bebê envolve dizer palavras e fazer sons sem sentido, enquanto o “parentese” é um discurso totalmente gramatical que inclui palavras reais, vogais longas e tons de voz exagerados, além de comunicar um compromisso total com a criança e soa alegre. Conversar diretamente com bebês ajuda-os a se conectar socialmente com as pessoas que ela tem contato e a tentar responder, mesmo que seja apenas balbuciar.

Apesar de parecer uma estratégia tão simples, esse discurso pode ajudar significativamente no desenvolvimento da linguagem em crianças pequenas, o que pode apresentar uma vantagem em sua vida escolar. Os pais desempenham um papel importante nisso e podem usar essa forma de discurso nas rotinas dos seus filhos.