Mal-estar no ensino médio: como ajudar na transição de crianças do ensino primário para o secundário

A transição dos alunos do ensino fundamental para o ensino médio coincide com várias mudanças importantes no desenvolvimento. Alguns estudantes podem estar no meio da puberdade; estão se tornando mais conscientes e autoconscientes, os relacionamentos entre pares se tornam mais sutis e seu pensamento está se tornando mais crítico e mais complexo. Ao mesmo tempo, os adolescentes costumam estar “em crise” quando se trata de motivação e desempenho acadêmicos.

• Durante a transição para o ensino médio, o sistema de apoio social de uma criança muda. Isso inclui ter professores novos e múltiplos, ambientes de sala de aula modificados com turmas maiores, mais oportunidades para atividades extracurriculares especializadas e até grupos diferentes de amigos.

• Pesquisas mostram que as relações entre pares são importantes durante os períodos de transição e servem como um fator protetor.

Pesquisadores estudaram os efeitos da transição escolar e descobriram que as mesmas mudanças podem ser experimentadas de maneira diferente por todas as crianças.

Essas mudanças na promoção de apoiadores adultos e no desenvolvimento de um relacionamento maior podem ser percebidas como exigentes, caóticas e imprevisíveis.

Imagem/Reprodução

Enquanto muitas crianças se adaptam e mostram sinais positivos, como se destacar academicamente, fazer vários novos amigos ou mostrar uma resposta positiva a uma nova configuração de sala de aula ou estilo de aprendizagem, algumas crianças podem ter dificuldades com essa mudança e podem agir ou mostrar um declínio no desempenho acadêmico ou motivação.

Estudos também mostraram que, durante esse período, as crianças podem apresentar sintomas aumentados de ansiedade ou depressão, que podem piorar durante os períodos de mudança ou transição.

Novo ambiente de aprendizado e novas metas:

As escolas primárias e os professores tendem a ser mais incentivadores e orientados para as tarefas no ensino: o objetivo dos alunos do ensino fundamental é dominar uma determinada tarefa, como a adição ou subtração do aprendizado. No entanto, no ensino médio, o objetivo do ensino geralmente se torna atingir uma determinada série e esperar que os alunos se tornem mais independentes. Incentivar os alunos a se autodefenderem quando se trata de notas, horário de aula ou mesmo estilo de aprendizagem pode ajudá-los a se tornarem academicamente mais independentes, o que os servirá melhor para o futuro e quando chegarem ao ensino médio. O aprendizado ainda é fundamental, mas medir o desempenho e ajustar-se às mudanças nas expectativas e nos comportamentos do aprendizado também faz parte da equação.

Ajudar os alunos a ajustar e prosperar:

Muitos psicólogos que estudam educação infantil acreditam que uma chave importante é como as crianças pensam sobre sua própria inteligência e habilidades. Se uma criança pensa em sua inteligência como fixa – “sou burra ou esperta” – ela evitará tarefas que desafiam sua capacidade ou correm o risco de fracassar e só optar por trabalhar em problemas que já sabe como resolver. Pais e professores podem ajudar as crianças a desenvolver habilidades de resiliência para melhor ajudá-las a se ajustarem em seus novos ambientes sociais ou acadêmicos. Por exemplo, se os jovens são incentivados a tentar e são recompensados com base no esforço, eles serão mais perseverantes e resilientes.

Fora da sala de aula, as crianças podem se preocupar com o assédio moral dos colegas ou até com os armários, mas, concentrando-se no que podem fazer ou tentar criar resiliência, as crianças podem se adaptar às adversidades que podem encontrar no ensino médio.

O que os pais e os professores podem fazer?

• Incentive as crianças a experimentarem coisas novas e aprenderem novas habilidades que podem estar fora de sua zona de conforto.

• Diga a eles que não há problema em cometer erros ou mesmo falhar. Às vezes, falhar pode ser uma oportunidade de aprendizado, e pais ou professores podem ajudar as crianças a entender o que precisam corrigir ou mudar para a próxima vez.

• Ensine às crianças que aprender exige esforço, tempo e prática. Nem tudo é fácil para alguém na primeira tentativa ou introdução a uma nova habilidade. É importante ensinar às crianças que elas podem ter um estilo de aprendizado único diferente dos outros e incentivá-las a serem pacientes ao aprender coisas novas.

• Ajude-os a resolver problemas, mas deixe-os descobrir possíveis soluções, com sua orientação.

• Incentive-os a entrar em contato com perguntas e obter apoio. A mensagem principal é: “você não está sozinho”.

Fonte: APA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *